É nas ruas

9 Maio

«O ponto de viragem da crise é indesmentível pelos factos»

«Ajustamento acima das expectativas»

«Receios de uma recessão mais profunda» em 2011 revelaram-se infundados.

Não são frases de um sonhador. Não são desejos de um lunático. Não são expressões de um autista. Quem enunciou estas análises foi o ministro das Finanças, Vítor Gaspar. Parece que, se não estamos no melhor dos mundos, para lá caminhamos. Acho que já todos percebemos que não é bem assim. Aliás, nem pouco mais ou menos. Aqui e ali, há manifestações de preocupação, mesmo que muito tímidas. Até Miguel Relvas finalmente veio assumir que os 15,3 por cento (taxa oficial) lhe tiram o sono. Esperava-se no entanto mais do CDS e da sua carga de preocupação social para puxar por Passos Coelho e por todo este Governo no combate a este drama, porque é de drama que se trata.

Não vale a pena elaborar muito mais sobre as palavras de Gaspar, as preocupações de Relvas ou a falta de acção de Pedro Mota Soares e Álvaro Santos Pereira. Vale sim a pena olhar para as ruas. Hoje, por volta da meia-noite, voltava a pé de uma sessão de cinema (a convite, claro) no El Corte Inglés, em Lisboa, e para cortar caminho até casa atravessei o topo do Parque Eduardo VII e ruas circundantes do Liceu Maria Amália Vaz de Carvalho. Já se sabe que é zona de prostituição, feminina e masculina, mas em alturas de Feira do Livro o negócio costuma fugir dali. No entanto estava redondamente enganado. Não só a profissão mais velha do mundo não tirou férias como ganhou muita oferta.

Já trabalhei numa rádio na zona há uns anos e durante alguns meses saí depois das duas da manhã. Habituei-me à fauna nocturna. Mas agora, em 2012, o negócio cresceu, e cresceu muito. São dezenas de mulheres e homens, de poucos em poucos metros, em todas as ruas.

Os carros de luxo, de alta cilindrada, continuam a circular, embora em menor número. Não estará esta gente desesperada, assolada pela miséria e pela destruição de vidas, para recorrer e cair nesta solução, ao mesmo tempo tão fácil e tão difícil?

A SIC exibiu recentemente uma grande reportagem que indicava que a prostituição feminina aumentou nas ruas devido à crise e que muitas daquelas que tinham conseguido finalmente fugir a vender o corpo viram-se forçadas a regressar. ‘Sensacionalismo. Eles querem é vender escândalos. Querem é audiências’, ouviu-se na altura. Tive a prova viva esta noite que, de facto, há muito mais pessoas na rua a tentar ganhar dinheiro vendendo prazer. Se a causa é a crise? É altamente provável que sim.

É nas ruas que vive esta pobreza com cada vez com menos vergonha, mas cada vez mais envergonhada do que se tornou.

 

 

 

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: