Cantar de Emigração

10 Maio

Numa época em que muito se fala de uma nova vaga de emigração, aqui fica uma das mais belas canções de Adriano Correia de Oliveira. Esta letra é uma tradução de José Niza do canto V do poema Pra Habana! original de Rosália de Castro, escritora e poeta Galega do séc. XIX. Retratando as difíceis condições de vida que os galegos sofreram neste tempo e o consequente fluxo migratório para Cuba (muitos também emigraram para a zona do Douro). Esta letra foi posteriormente adaptada ao contexto português através de Adriano Correia de Oliveira e foi uma das canções que mais marcou o movimento estudantil de Coimbra e a luta contra a Guerra Colonial.

Aqui fica a letra original.   

Este vaise i aquel vaise,
e todos, todos se van.
Galicia, sin homes quedas
que te poidan traballar.

Tés, en cambio,orfos e orfas
e campos de soledad,
e pais que non teñen fillos
e fillos que non tén pais.

E tés corazós que sufren
longas ausencias mortás,
viudas de vivos e mortos
que ninguén consolará.

E a tradução para Português.

Este parte, aquele parte
e todos, todos se vão.
Galiza, ficas sem homens
que possam cortar teu pão.

Tens em troca orfãos e orfãs
e campos de solidão
e mães que não têm filhos
filhos que não têm pais.

Corações que tens e sofrem
longas horas mortais
viúvas de vivos-mortos
que ninguém consolará.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: